Sem Papas na Língua, João Almeida Moreira Garante Que Sporting de Amorim “Sambou Este Ano”

Jornalista freelancer deixou opinião bastante vincada sobre condições nas quais leões chegaram ao título

João Almeida Moreira acredita que a ‘magia’ do jogador brasileiro está a desaparecer no futebol português. O jornalista freelancer aponta o caso do Sporting de Rúben Amorim, que se sagrou campeão nacional apenas com Matheus Reis como opção regular e garante que, apesar do título, os leões “sambaram pouco”.

“A0 longo da época, Matheus Reis dividiu com Nuno Santos a ala esquerda do Sporting, embora, durante os jogos, tenha jogado também a central, a posição de Pontelo, jogador usado uns minutinhos por Rúben Amorim. E pronto, eis a participação do Brasil no campeão de 2023/24, a menor num título português no século XXI”, começou por dizer, ao jornal A Bola.

“Do final dos anos 80, quando a livre circulação de brasileiros no futebol português começou, até ao início do século XXI, o peso dos jogadores de além-mar para a decisão do título era enorme: Ricardo Gomes, Mozer, Valdo, Isaías, Celso, Geraldão, Aloísio, Branco, Emerson, Jardel ou André Cruz, além de tantos outros atletas brilhantes mas jamais campeões portugueses, encheram de qualidade os relvados nacionais”, acrescentou.

“Segundo dados do relatório global de transferências da FIFA, a rota de jogadores Brasil-Portugal ainda continua a mais concorrida do mundo, acima do trânsito entre Inglaterra – Escócia, a segunda, e do bilhete de volta Portugal-Brasil, a terceira”, prosseguiu.

“Talvez porque os canarinhos de elite vão, cada vez mais, diretamente para os tubarões da Premier League, da La Liga e de outros países, sem passar pelos três grandes e estes foram obrigados a descobrir novos mercados. Por isso, o Sporting de 2023/24 sambou pouco. Mas dançou ao som dos ABBA que se fartou”, terminou.